Treino positivo

Foram recentemente realizados estudos acerca da aprendizagem canina que demonstram que os métodos baseados na pressão ou no castigo não são eficazes. Estes têm, até, efeitos bastante prejudiciais sobre os animais, uma vez que provocam reações de ansiedade, medo, agressividade e, acima de tudo, uma falta de bem-estar significativa.

Quando se tem um cão, para além de satisfazer as suas necessidades, de mantê-lo em ótimo estado de saúde, entre outro aspetos, é muito importante conseguir controlá-lo em diferentes situações. Para que isso seja possível, o treino é uma ferramenta essencial.
Os métodos tradicionais de treino eram baseados no reforço negativo. Um exemplo clássico é o de ensinar o cão a não puxar a trela, utilizando para o efeito uma coleira estranguladora ou de picos, sobre as quais se aplicam puxões controlados, até que o cão deixe de puxar.

Felizmente, isto tem vindo a mudar e é cada vez mais utilizado um sistema alternativo chamado de treino positivo. Este respeita muito mais o animal e pode ensinar-lhe uma variedade de comportamentos que, através do reforço negativo, seria impensável.

O que é o treino positivo?

Quando falamos de treino positivo referimos-nos, na verdade, à forma abreviada de treino baseado no condicionamento operante que utiliza o reforço positivo.
Em primeiro lugar, deve saber-se que o reforço positivo é a relação estabelecida entre o comportamento do animal e a consequência que ele obtém desse mesmo comportamento. Uma vez que a consequência é bastante agradável para o cão, ele tende a repetir o comportamento. Um exemplo simples é: se oferecermos uma recompensa alimentar a um cão de cada vez que lhe pedirmos para que se sente, a probabilidade de que, futuramente, ele se sente quando lhe pedirmos será maior.

Tanto o reforço positivo como negativo são exemplos de um sistema de aprendizagem associativa, no qual o animal associa os comportamentos às consequências que obtém destes.
O sistema de aprendizagem associativa é conhecido como condicionamento operante ou instrumental. Para o colocar em prática é sempre necessário que exista um reforço (positivo ou negativo) ou um castigo (também ativo ou passivo), de forma a modificar o comportamento do indivíduo.

Como se aplica nos cães?

Tal como vimos no exemplo anterior, o reforço positivo é muito fácil de aplicar. Apenas necessitamos de utilizar um reforço ou um incentivo que seja muito agradável e estimulante para o cão e oferecer-lhe esse reforço de cada vez que ele faça algo que nos pareça correto ou quando ele deixar de fazer algo que nos pareça incorreto.

A aplicação do reforço positivo deve atender a dois aspetos para funcionar adequadamente. Deve ser aplicado imediatamente quando surge o comportamento que deseja melhorar ou quando desaparece o comportamento indesejado e, para além disso, deve ser utilizado de cada vez que o comportamento adequado surge ou de cada vez que ele deixe de ter o comportamento inadequado. Isto deve acontecer até que ele assimile perfeitamente aquilo que pretende.

Dois exemplos simples: se um cão ladrar muito e quisermos que deixe de o fazer, devemos recompensá-lo de cada vez que ele parar de ladrar e imediatamente no momento em que para. Se quisermos que um cão reaja à chamada, devemos premiá-lo de cada vez que ele vem até nós, por muito que ele demore a fazê-lo.

Quando o cão tiver assimilado perfeitamente aquilo que queremos que ele faça, podemos ir retirando os prémios progressivamente (nunca o devemos fazer de uma dia para o outro) e de forma aleatória. Isto fará com que o interesse do cão prelo prémio aumente e fortalecerá a prática do comportamento e da obediência.

Que tipos de reforços podem ser utilizados?

Existem diferentes opções, dependendo dos “gostos” do animal. O único critério fundamental na escolha de um incentivo é que se trate de algo verdadeiramente atrativo e estimulante para ele. Pode tratar-se de uma carícia, um elogio, brincadeira, um alimento, deixá-lo farejar, etc.

Regra geral, o mais utilizado, é o alimento, uma vez que costuma ser mais fácil de utilizar do que a brincadeira e mais estimulante do que uma carícia ou um elogio, para a maioria dos animais.

O que posso ensinar-lhe com este método?

Na verdade, pode ensinar-lhe qualquer coisa! A principal vantagem do treino positivo é que permite que o animal aprenda qualquer coisa que esteja ao alcance das suas capacidades físicas.
Este método é utilizado para o treino de obediência, quer seja básica ou avançada, para o treino de cães de trabalho (deteção de drogas e explosivos, terapia assistida com animais, etc.), para treino desportivo (agility, etc.), para habilidades caninas e, até mesmo, na correção de comportamentos problemáticos e indesejáveis.

No entanto, nem tudo são vantagens, uma vez que existe a possibilidade de uma utilização inadequada de alimentos durante o tempo de aprendizagem do cão. Assim, dependendo da complexidade do comportamento que deseja ensinar ao cão ou que deseja que ele deixe de apresentar, o processo pode ser lento e exige paciência. Contudo, os resultados obtidos são muito estáveis e duradouros, já para não falar de que a educação proporciona enormes benefícios ao cão e à família.

Como devem ser os prémios

No treino positivo, é necessário, pelo menos inicialmente, utilizar um grande número de prémios. Se cada um deles tiver um tamanho considerável e não for nutricionalmente equilibrado, existe o risco de causar perturbações na dieta, problemas de digestibilidade, distúrbios gastrointestinais, etc.

O prémio comestível ideal deve ser altamente estimulante para o animal, de ingestão imediata, quase sem mastigar, fácil de dosear ou dividir, de pequeno tamanho e nutricionalmente equilibrado.

Comentários (0)

Sem comentários neste momento

Novo comentário

Inscrever na Newsletter