Benefícios da esterilização para o animal

A esterilização evita as principais doenças do sistema reprodutor
e diminui o risco de doenças contagiosas e de acidentes. Por este motivo, a esperança de vida dos animais esterilizados pode duplicar.

A esterilização evita as principais doenças do sistema reprodutor

No cão, os tumores testiculares são comuns, sobretudo a partir dos 10 anos de idade, ocorrendo sobretudo em cães criptorquídeos (com um testículo recolhido na cavidade abdominal).
Nestes casos, a esterilização deve ser realizada o mais cedo possível. Os tumores das glândulas perianais (junto do ânus) são mais frequentes nos cães do que nas cadelas.
Mais de 95% dos machos com esta patologia ficam curados após a esterilização. A hiperplasia da próstata é uma doença benigna frequente em cães não esterilizados. Também nesta situação, a esterilização tem um efeito curativo.

A esterilização diminui o risco de acidentes

Estimulados pelo instinto sexual, os animais não esterilizados têm tendência a fugir, por vezes durante diversos dias. No decurso dessa “aventura”, podem sofrer acidentes de viação, intoxicações e diversos traumatismos na sequência de confrontos com outros animais (mordeduras, arranhadelas, etc.).
Em contrapartida, os animais esterilizados não se afastam muito de casa e, como tal, estão menos expostos a este tipo de acidentes.

A esterilização reduz o risco de doenças contagiosas

O gato pode contrair doenças contagiosas mortais através do contacto direto com um gato infetado: a leucose felina (FeLV), transmitida através de lambidelas ou por via sexual durante o acasalamento,e a imunodeficiência felina (FIV), transmitida principalmente por mordeduras.
Atualmente, apenas se encontra disponível a vacina anti-leucose. A esterilização constitui a forma mais eficaz de prevenir a FIV, pois diminui o número de contactos que podem conduzir ao contágio.

Vantagens da esterilização para o dono

A esterilização evita ninhadas não planeadas e permite controlar as populações de animais errantes. Além disso, tem a enorme vantagem de suprimir os comportamentos sexuais tanto do macho como da fêmea, que podem constituir uma fonte de problemas para o dono e de minimizar determinados comportamentos indesejáveis.

A esterilização evita as ninhadas não planeadas

A esterilização é a forma mais segura e eficaz de evitar gestações indesejadas controlando, desta forma, a superpopulação canina e felina.
A esterilização é, também, o tratamento mais indicado e eficaz para cadelas com gravidez psicológica (pseudogestação). Esta doença ocorre devido a um desequilíbrio de duas hormonas: a prolactina e a progesterona. Contudo, outros fatores também podem contribuir para que ocorra uma gravidez psicológica, tais como as mudanças da rotina diária, a saudade ou a carência.
Os sinais físicos são idênticos aos de uma verdadeira gestação.

A esterilização suprime os comportamentos sexuais

Na gata, o período de cio manifesta-se através de posturas específicas e, sobretudo, por vocalizações de grande sonoridade, tanto de dia como de noite. A cópula desencadeia a ovulação e a interrupção do cio. Na ausência de um macho, o período de cio pode durar mais de uma semana. Após um periodo de repouso sexual, variável consoante a raça, inicia-se um novo ciclo que se repete várias vezes por ano.
A esterilização suprime de imediato e permanentemente este conjunto de manifestações.

Na cadela, normalmente o cio ocorre duas vezes por ano. Caracteriza-se por corrimento sanguinolento e atração de todos os machos das redondezas, o que obriga o dono a recolher a cadela em casa durante este período.
A esterilização assegura uma maior tranquilidade ao dono.

A esterilização minimiza determinados comportamentos indesejáveis

O cão esterilizado fica, na maioria dos casos, mais dócil. Desta forma, conseguem prevenir-se muitos problemas, nomeadamente a mordedura de pessoas, a agressividade para com o dono (inclusivamente crianças) e a agressividade entre machos. Além disso, a esterilização demonstra eficácia na redução de outros comportamentos indesejáveis, como as marcações com urina em casa, o comportamento de “monta” e as escapadelas para a rua.

No gato não esterilizado, a marcação urinária está ligada à atividade sexual: o macho projeta jatos de urina em superfícies verticais para delimitar o seu território. O odor intenso da urina constitui um sinal olfativo para os outros gatos. No entanto, para o dono representa uma fonte de grandes transtornos. Além disso, em presença de uma gata em cio, o comportamento reprodutivo dá origem a confrontos entre machos, acompanhados de vocalizações. De uma forma geral, a esterilização elimina estes comportamentos e atenua o odor da urina.

Perguntas mais frequentes

Com que idade se deve realizar a esterilização?

De um modo geral, a esterilização efetua-se por volta dos 6 meses. Contudo, foi demonstrado que é possível uma esterilização mais precoce sem que ocorra qualquer consequência sobre o desenvolvimento do animal.

A fêmea deve ter uma ninhada antes de ser esterilizada?

Não. Trata-se de uma ideia geralmente aceite mas sem fundamento científico: o facto de a fêmea ter uma ninhada não tem qualquer efeito benéfico sobre a sua saúde.

Quais são os riscos da ovariohisterectomia/orquiectomia?

A ovariohisterectomia e a orquiectomia são intervenções cirúrgicas com um risco anestésico reduzido e, de uma forma geral, bem toleradas pelo animal. A ovariohisterectomia é, no entanto, uma cirurgia um pouco mais delicada, uma vez que os ovários e o útero se situam na cavidade abdominal.
O animal deve ser mantido em jejum no dia anterior à cirurgia, reintroduzindo-se a alimentação no dia seguinte. Em princípio, o seu comportamento volta ao normal no espaço de 48 horas.

A esterilização evita sempre a marcação urinária do gato?

Este comportamento tem uma componente sexual, mas também pode ser desencadeado pela ansiedade.Assim, pode observar-se marcação urinária num gato esterilização cujo meio envolvente tenha sido perturbado. Este comportamento regride se forem aplicadas feromonas calmantes nas zonas de marcação.

A esterilização pode resolver os problemas de agressividade?

Os machos podem tornar-se mais agressivos durante o período reprodutivo, se bem que as hormonas sexuais não sejam a única causa de agressividade. A esterilização não transforma todos os felinos em gatos dóceis, mas como os acalma reduz as mordeduras e o custo do respetivo tratamento!

A esterilização impede a fuga do macho?

O macho esterilizado é muito mais sedentário do que o macho não castrado e deixa de ser atraído pela fêmea em cio. No entanto, principalmente o gato, pode conservar o comportamento de exploração do meio exterior, o que o leva a vaguear para longe de sua casa.

Para o dono de um casal de gatos, é mais importante esterilizar o macho ou a fêmea?

Se não quiser ter gatinhos deverá esterilizar ambos, para não ter de optar entre a gata em período de cio e o odor intenso da marcação urinária do macho. Deverá privilegiar a esterilização do macho para evitar a aquisição e a persistência de um comportamento de marcação.

É possível esterilizar uma fêmea que já se encontre em cio ou em gestação?

Durante o período de cio, os ovários estão congestionados e sangram com maior facilidade.
Apesar desse risco ligeiro, alguns médicos veterinários preferem operar do que interromper o cio através de um tratamento hormonal, devido ao risco de infeção uterina. Se a fêmea se encontrar
em gestação, a ovariohisterectomia é fundamental para remover o útero e os embriões.

Um gato esterilizado corre menos riscos de contrair o FIV, mesmo que saia para o exterior?

Um gato esterilizado com acesso ao exterior pode, efetivamente, ter contactos com outros gatos, mas tem menos tendência para entrar em conflitos e, como tal, está menos exposto
a mordeduras e às respetivas consequências (FIV, abcessos).

gato

Consequências

A esterilização tem benefícios indiscutíveis em termos de saúde
e comportamento do animal, mas predispõe para a obesidade e para
a formação de cálculos urinários. Estes riscos estão claramente
identificados, mas são evitáveis!

A esterilização aumenta o risco de excesso de peso.

No cão, as alterações hormonais provocadas pela esterilização conduzem ao aumento 30% do consumo alimentar e à diminuição das necessidades energéticas em 30%.
Por este motivo, o risco de obesidade é cerca de duas vezes mais elevado em cães esterilizados do que na população canina em geral.

Sabia que... 

Um aumento de 3kg num cão de raça pequena é equivalente ao aumento de 15kg num homem de 70kg!No gato as alterações hormonais provocadas pela esterilização fazem com que as necessidades energéticas diminuam 30% e o apetite aumente 20%.
Por este motivo, o risco de obesidade é cerca de 3,4 vezes mais elevado no gato esterilizado do que na população felina em geral

Sabia que... 

Se a alimentação do animal não for imediatamente após a esterilização, um gato de 4kg pode aumentar 2kg, o equivalente a 30kg no caso de um homem de 60kg.

No gato, a esterilização aumenta a predisposição para a formação de cálculos urinários.

Comparativamente com um gato não esterilizado, um gato esterilizado apresenta um risco 7 vezes superior de desenvolver cálculos de oxalato de cálcio e 3,5 vezes superior de formar cálculos de estruvite.
Como referido anteriormente, um gato esterilizado está mais predisposto à obesidade. Devido ao excesso de peso, o animal torna-se menos ativo, desloca-se com menor frequência para beber água e, consequentemente, urina menos. A urina concentra-se na bexiga, criando as condições ideais para a formação de cálculos de estruvite, mais frequentes nos gatos jovens, ou de oxalato de cálcio, mais frequentes nos gatos maturos.
Os machos, devido às suas características anatómicas, têm mais dificuldade em eliminar espontaneamente os cálculos e, por consequência, apresentam uma incidência desta doença superior à das fêmeas. Algumas raças, como o Persa e o Burmês, evidenciam maior predisposição para a formação de cálculos urinários.

Outros problemas

Como a sua esperança de vida aumenta, os animais esterilizados também são mais afetados pelos problemas associados ao envelhecimento. Com o avançar da idade, aumenta a frequência de doenças bucodentárias, renais e cardíacas ou de problemas osteoarticulares.

Cuidados a ter após a esterilização

Para ajudar o seu animal a manter o peso ideal após a esterilização,
devem ter-se 4 cuidados essenciais:

Mudar para um alimento adaptado às novas necessidades nutricionais

Embora, normalmente, o dono aprecie a ideia da alimentação caseira, coloca-se o problema de conseguir elaborar um aumento nutricionalmente equilibrado. Além disso, este tipo de alimentação apresenta, normalmente, um teor calórico superior ao que o animal esterilizado necessita.

É frequente o dono perguntar se pode limitar-se a administrar uma quantidade inferior do alimento habitual. A resposta é não! Os alimentos para animais esterilizados têm uma composição diferente dos alimentos de manutenção habituais. Além disso, essa estratégia não proporcionam um sensação de saciedade ao animal, que terá tendência a pedinchar constantemente mais alimentos (não nos podemos esquecer que o seu apetite aumenta após a esterilização). Além disso, no caso de um gato com excesso de peso, a redução excessiva da dose diária de alimento pode dar origem a um desequilíbrio perigoso para o fígado do animal.

Evitar o aumento de peso

Como referido anteriormente, o risco de obesidade é mais elevado no animail esterilizado do que na população canina e felina em geral.
Por conseguinte, é essencial adaptar a alimentação do animail esterilizado às suas novas necessidades nutricionais evitando, assim, um eventual aumento de peso. 

Os alimentos para gatos e cães esterilizados devem ter as seguintes características:

Baixo teor de gordura, para permitir o controlo das reservas de gordura;

Elevado teor de proteína, para promover a manutenção da massa muscular;

Um complexo de fibras específicas, para aumentar o volume alimentar e favorecer a sensação de saciedade;

L-carnitina, para favorecer a transformação da gordura em energia.

Para animais com apetite insaciável, a Royal Canin desenvolveu alimentos nutricionais adaptados.

Graças a uma combinação específica de fibras, estes alimentos diminuem naturalmente a sensação de fome e satisfazem as necessidades nutricionais dos animais esterilizados que, assim, mendigam menos alimentos entre refeições.

Prevenir a formação de cálculos urinários

Os alimentos para gatos esterilizados devem, igualmente, ajudar a promover a saúde do trato urinário, através de um equilíbrio mineral adequado e do controlo do pH urinário. 

Um meio eficaz de prevenir a formação de cálculos urinários consiste em estimular a ingestão de água para reduzir a concentração da urina e diminuir o seu tempo de permanência na bexiga. 


Pode recorrer-se a diversos truques para incentivar o gato a beber água, por exemplo:

Fornecer-lhe um alimento seco com um teor ligeiramente superior de sódio (sem risco para os rins nem para a tensão arterial);

Fornecer-lhe alimentos húmidos, cujo teor de humidade ronda os 80%;

Fazer refeições múltiplas (de cada vez que o gato se dirige ao comedouro, também se dirige ao bebedouro);

Multiplicar o acesso a pontos de água tanto em casa como no jardim, de preferência em bebedouros largos (os preferidos dos gatos);

Se o gato preferir água corrente, permitir que beba diretamente da torneira ou instalar uma pequena fonte;

Colocar cubos de gelo aromatizados na água de bebida, preparados com uma diluição de suco da carne ou suco do atum em lata.

Como os animais esterilizados têm uma esperança de vida superior à dos animais não esterilizados, estão mais expostos aos efeitos do envelhecimento.

Por este motivo, o alimento deve ser adaptado em função da idade, de forma a permitir um envelhecimento saudável.

Prevenir o envelhecimento celular

O principal mecanismo que caracteriza o envelhecimento é a produção de radicais livres com uma ação oxidante sobre as células. A incorporação de antioxidantes no alimento (vitamina C, vitamina E, taurina e luteína) previne os efeitos do envelhecimento celular e preserva as defesas imunitárias.

Preservar a saúde bucodentária

A doença periodontal é observável em animais jovens e agrava-se com o avançar da idade. É possível realizar uma ação preventiva, fornecendo ao animal croquetes com textura e formato adaptados (efeito de escovagem), contendo polifosfato de sódio (que capta o cálcio salivar e impede a formação de tártaro).

Preservar a função renal

A restrição proteica tem pouca influência na prevenção da doença renal, cuja frequência aumenta com o avançar da idade. Em contrapartida, a redução da ingestão de fósforo, quando o animal atinge a fase matura, pode evitar diversas complicações.

Proteger as articulações

Ao envelhecer, o animal está sujeito a problemas articulares debilitantes, como a artrose. A incorporação de proteinas articulares (glucosamina e condroitina) reforça a integridade das cartilagens do animal maturo.

Os especialistas em Nutrição-Saúde Royal Canin desenvolveram alimentos que satisfazem as necessidades nutricionais dos cães e gatos esterilizados ao longo da vida, cuidando da sua saúde dia após dia: a gama STERILISED, disponível em Lojas da especialidade e a gama NEUTERED, disponível em Clínicas veterinárias.

Respeitar a dose diária recomendada de alimento

A dose diária de alimento deve ser adaptada às necessidades
energéticas do animal, que diminuem após a esterilização.

É extremamente importante medir diariamente a quantidade de alimento administrada diariamente.
É aconselhável de forma a evitar diferenças consideráveis em relação à dose diária recomendada. 

Nunca administre biscoitos nem sobras de refeições. O alimento utilizado como recompensa deve, obrigatoriamente, ser deduzido à dose diária recomendada.

Promover a prática regular de exercício físico

A vida urbana limita as possibilidades do animal realizar exercício físico,
pois o dono está ocupado pelo trabalho, o número de
espaços verdes é reduzido, o cão têm de ser passeado com trela, etc.

No entanto, os passeios ou jogos estimulantes são imprescindíveis para promover a manutenção do peso ideal do animal. É muito importante que o dono compreenda a necessidade de dedicar um mínimo de tempo a essas atividades!

Os brinquedos são uma boa forma de estimular a atividade física.

O dono deve observar quais os jogos que mais agradam ao seu cão de forma a brincar com ele pelo menos 20 minutos por dia: lançar-lhe bolas de ressalto, jogar com ele às escondidas, esconder objetos no jardim, por exemplo, são atividades que estimulam o gasto de energia e favorece a manutenção da massa muscular.
As canas de pesca próprias para brincar, as bolas de papel ou de folha de alumínio e as canetas com laser são excelentes brinquedos.

A alimentação também pode constituir um impulsionador
da atividade física.

Pode ser adquirido ou construído um brinquedo oco contendo um número reduzido de croquetes.
O animal deverá brincar com ele (e despender energia) para receber uma recompensa. Esta solução anima o animal, reduz a monotonia de uma vida (por vezes) exclusivamente de interior e ajuda a reduzir o consumo global de alimentos.

Apenas 20 minutos de “brincadeira” diária fazem toda a diferença para o animal…
e, consequentemente, para o dono também!

Evitar guloseimas/restos de refeições com elevado teor calórico

Para o Homem, a alimentação constitui uma forma de interação
e de expressão de afetos.

Por este motivo, é frequentemente encarada como o meio mais fácil de estabelecer contacto com um animal.
No entanto, para o animal, este sistema de comunicação não tem qualquer significado. Utilizar os alimentos para estabelecer um relacionamento com o animal é, efetivamente, um erro que pode conduzir à obesidade. O animal atribui mais valor aos contactos sociais: elogiá-lo, acariciá-lo e brincar com ele, por exemplo, são excelentes recompensas… e não engordam! Poe este motivo, a recompensa alimentar deve, gradualmente, ser substituida por um contato social. 

O recurso a esta estratégia diminui a dependência alimentar e, consequentemente, o risco de excesso de peso. Além disso, reforça a ligação afetiva que o seu animal tem com o dono!

Sabia que… para um cão de raça pequena, um pedaço de queijo é equivalente a um hambúrguer para um Homem?

E sabia que… 30g de gordura do fiambre têm 255kcal?

Lembre-se que um gato de 4kg necessita de 240kcal por dia para manter o seu peso ideal!

Comentários (0)

Sem comentários neste momento

Novo comentário

Subscrião Newsleter